HOMEM & AMEBA

A liberdade de questionar, refletir sobre tudo, e fazer escolhas, não é um direito, é da natureza humana, é o que nos difere das amebas.

I+qP

INTRODUÇÃO



Não há nada perfeito no universo, exceto, a imperfeição, esta sim o elemento criador da diversidade infinita das coisas e dos seres do universo.

A imperfeição foi a causa de tudo o que existe e é causa de tudo o que existirá. Dos átomos às galáxias, da diversidade das espécies à sua evolução. Do nascimento dos seres às suas ações e reações. A perfeição aparente de tudo só foi e é possível graças à reprodução imperfeita. É o imperfeito mais que perfeito.

As respostas a todas as questões, da mais comezinha - por que sou como sou - até as mais existenciais - existe um Deus criador de tudo, onipresente, onisciente e onipotente? - encontram resposta no I+qP.


Não  há como impedir a dinâmica intrínseca dos sistemas, humanos ou não, pois tudo é dinâmico no universo, por princípio fundamental. Esta é a lei que rege tudo. A única que permite que as coisas existam tal como são. E qualquer alternativa que possa ser imaginada traria, obrigatoriamente, um resultado completamente diferente deste que conhecemos.

Gosto muito do Mario Sergio Cortella, filósofo, professor, um pensador contumaz. Ele apresentou uma palestra muito interessante. Ela está na internet. Assista pois é bem a propósito desta introdução.

Apresentar e justificar este princípio de visão das coisas é meu objetivo neste trabalho com a pretensão de ser um Tratado do Imperfeito Mais Que Perfeito. Tal proposta implica um desafio e um compromisso em apresentar, esmiuçar e analisar, todas as variáveis que possam, minimamente, fazer parte dos alicerces comprobatórios da hipótese proposta.

Tenho consciência da complexidade da tarefa. Não sem razão venho adiando seu início. Neste momento (não garanto não mudar de ideia no futuro) resolvi tratar cada conceito - uma variável do processo - independentemente dos demais, ao sabor, principalmente, das motivações provocadas pelas minhas vivências do dia-a-dia, e sem me preocupar com uma concatenação lógica, isto será resolvido naturalmente no desenvolvimento do trabalho.

A motivação de fundo que me impulsiona não é a de convencer ninguém de qualquer das ideias que venha a expor. Confesso que ela é totalmente egocêntrica. Explico. Depois de muitas décadas, ganhei consciência de que a matrix (*) da qual sou detentor por herança, produz ações, mas principalmente, reflexões, completamente "fora da curva". Desde então, e reforçado pela chegada dos netos, passei a ter interesse em registrar minhas opiniões, senão como legado ao futuro, pelo menos como retrato de quem eu fui quando passei pela vida.

Nas tantas oportunidades em que participei de debates acalorados, tenham sido eles apenas de exercício intelectual ou de disputa de posição no ambiente profissional, aprendi que ninguém convence ninguém de coisa alguma. O máximo é o outro se deixar convencer, ou por estratégia, ou por interesse não explicitado, ou por respeito hierárquico, ou simplesmente porque adota a opinião apresentada porque não tinha nenhuma para opor.

Me alio ao físico Max Planck (1858-1947) que um dia sentenciou: "Uma nova verdade científica não triunfa convencendo seus oponentes e fazendo-os ver a luz, mas sim porque seus oponentes eventualmente morrem, e a nova geração que cresce é familiar com ela".

Planck se referiu a "uma nova verdade científica" porque este era seu campo de atuação. Mas vale para qualquer área do conhecimento humano. Os que estão por vir são os que abraçarão novas ideias (os adolescentes do mundo validam esta afirmação). 



As novas gerações encontram propostas novas e muito mais interessantes. Meus filhos nasceram com a realidade da TV em cores; meus netos com o tablet e as redes sociais; e meus bisnetos viverão a "conexão da coisas" e o que nossa imaginação ainda não é capaz de ver; 


Mas para toda "cara" existe uma "coroa". Os novos também resgatarão experiências do passado que foram abandonadas por ineficazes ou improdutivas. Costumo usar a expressão "tem sempre pato novo" para justificar a volta de ideias ultrapassadas. Muito tempo se passou e os novos, por preguiça, fuga, ou medo, preferem ignorar "as verdades" que se mostraram falsas. 

E assim se faz o caminhar da evolução humana. Em idas e vindas. Dois passos à frente, um para trás. Em ondas. Em ciclos. Em perdas e ganhos.

Tudo parece indicar para um grande jogo de forças opostas. E é. A minha sina, portanto, será conseguir lhe mostrar quais são as regras do jogo. Escolher as melhores jogadas é com cada um de nós, em atos solitários. Ganhar ou perder, apenas uma consequência inevitável.

Até mais.

Paulo Vogel

(*) Matrix - denominação que dei ao conjunto de variáveis biológicas que nos faz ser como somos e re/agir como re/agimos. Optei por matrix em lugar de matriz, para não confrontar de modo algum com os fundamentos do conceito de "matriz do pensamento" usado pela psicologia.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Cada novo texto será publicado como uma postagem do blog. Se você tiver interesse em me acompanhar nesta jornada, cadastre seu emeio para receber o texto quando postado.

E sempre que desejar, mande seu comentário.


ÍNDICE DAS POSTAGENS

A VERDADE





Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou do texto? Lhe serviu de alguma maneira? Tem algo a acrescentar ou discordar? Comente. A ideia é essa.